Os riscos que preciso conhecer antes de investir

Antes de investir | Dicas Curtas

Escute este podcast: “020 Os riscos que preciso conhecer antes de investir”.

Vocês já sabe os riscos que precisa conhecer antes de investir?

A liberdade financeira passa também pela capacidade de decisão de investimentos.

Para ser livre financeiramente você precisa aprender a decidir onde investir seu dinheiro.

Quem não aprende a decidir onde investir o seu dinheiro não é livre, pois depende dos outros para realizar seus investimentos.

E aprendendo alguns conceitos básicos já é possível avaliar os ativos e tomar decisões.

No episódio anterior falei sobre dois deles: o conceito de taxa de juros real e nominal e o conceito de rentabilidade e hoje vou falar de outros dois conceitos relacionados a riscos: o conceito de liquidez e o conceito de volatilidade.

Como eu estava dizendo, a maioria das pessoas não pensa em aprender a decidir.

Querem apenas a resposta pronta e rápida da melhor aplicação financeira.

Isso é muito perigoso, pois as pessoas transferem a decisão sobre o seu dinheiro para outras pessoas e ficam dependentes das decisões dos outros.

E o pior nem é depender das decisões dos outros.

O pior é aplicar em ativos com riscos totalmente desconhecidos.

Agindo dessa maneira, a tendência é que a pessoa tenha prejuízos e crie um certo trauma com relação a investimentos, se afastando dos objetivos de construir uma coluna de ativos.

Como eu já disse aqui no Dicas Curtas, o melhor investimento é aquele que você conhece e domina.

Então vamos aos conceitos.

Volatilidade

Quando falamos de investimentos, não podemos jamais esquecer dos riscos envolvidos

No mundo dos investimentos, é preciso ter em mente que o preço dos ativos estão sempre variando.

Alguns ativos sofrem maiores variações do que outros.

A essa variação de preços dos ativos chamamos de volatilidade.

Ou seja, quanto mais volátil é um ativo, maior é oscilação de preço daquele ativo.

Um ativo pouco volátil, tem seu preço mais estável.

Por outro lado, quanto mais volátil é um ativo, mais imprevisível é o seu preço.

Exemplo do Tomate

Vamos usar o exemplo do tomate.

Quem vai ao mercado fazer compras sabe que o tomate é um alimento que tem muita variação de preços.

Já vi situações de haver mudança nos preços do tomate 4 vezes dentro de um mês.  

Na primeira semana, o quilo do tomate estava R$4,50, na segunda, reduziu para menos de R$3,00, na terceira, estava mais de R$6,00 e na quarta semana ficou em cerca de R$5,00.

Esse comportamento de preço, essa oscilação, demonstra que o tomate é um alimento que tem bastante volatilidade.

E é assim que funciona com os investimentos.

Portanto, antes de fazer qualquer investimento é preciso observar como se comporta o preço ou o valor desse investimento para que você possa ter uma ideia do quanto aquele investimento vai render para você no futuro e para você avaliar o que pode acontecer se o investimento perder valor.

Os ativos que possuem maior volatilidade, possuem maior risco e por isso podem oferecer maiores ganhos como também maiores perdas.

Os ativos com pouca volatilidade são mais constantes e, por isso, oferecem ganhos menores e quase nenhuma possibilidade de perda.

O título público Tesouro SELIC é um exemplo de título que não possui nenhuma volatilidade, pois seu preço é sempre previsível.

Ele rende sempre a taxa SELIC diariamente.

Um exemplo de ativo volátil é uma ação de qualquer empresa listada na bolsa de valores.

As ações variam de preço de acordo com a lei da oferta e da procura.

Os ativos de renda fixa costumam ser menos voláteis e os ativos de renda variável, mais voláteis.

Conhecer o conceito de volatilidade é fundamental para começar a entender os riscos dos investimentos, escolhendo aqueles que melhor se adequem ao seu perfil de tolerância a risco antes de investir.

Liquidez

O conceito de liquidez muitas vezes é esquecido por quem está começando no mundo dos investimentos.

Podemos encontrar um investimento que promete uma boa rentabilidade, com pouca volatilidade de preços, mas com baixíssima liquidez.

Liquidez é a capacidade de conversão em dinheiro.

Quanto mais rapidamente você conseguir transforma um ativo em dinheiro, maior será a sua liquidez. Um exemplo de ativos de baixa liquidez são os imóveis.

Em certos momentos, você pode encontrar ótimas oportunidades de investimento no mercado de imóveis, mas deve ter em mente que vender um imóvel não é algo que se consegue de um dia para o outro.

Há diversos casos de pessoas que precisaram de meses e até anos para conseguir vender imóveis de sua propriedade.

Exemplos de investimentos de alta liquidez: CDB’s, fundos de investimento, Tesouro Selic e outros títulos públicos, ações de grandes empresas, etc.

Para avaliar o tipo de ativo no qual se pretende investir é preciso observar os objetivos que você tem com aquele dinheiro.

Se o dinheiro é para sua reserva financeira de emergências, é preciso investi-lo em ativos de alta liquidez, ou seja, ativos nos quais seja possível resgatar seu dinheiro em no máximo 1 dia.

Todavia, se o dinheiro é para sua aposentadoria, você pode se dar ao luxo de investir em ativos de baixa liquidez, uma vez que você terá bastante tempo para converte-los em dinheiro.

Quanto menos liquidez tem um ativo, maior risco, portanto, ele oferece.

Conceitos básicos de investimentos

Com isso, concluímos que os conhecimentos básicos para iniciar uma jornada de investimentos para alcançar a liberdade financeira são:

  1.    Taxa de juros real e nominal
  2.    Rentabilidade
  3.    Volatilidade
  4.    Liquidez

As taxas de juro e a rentabilidade são as medidas para entender os resultados dos investimentos.

A volatilidade e a liquidez são questões que nos dizem muito a respeito dos riscos de cada investimento.

Por isso, antes de investir precisamos observar qual a sua projeção de rentabilidade, observando o ganho real, e também informações sobre sua volatilidade e liquidez para entender os riscos do investimento.

Antes de Investir | Investidor Inteligente do Dicas Curtas

Comentários

Deixe um Comentário

* Indicar Campos Obrigatórios